Bolsonaro é favorito para vencer se disputar o segundo turno

Essa não é uma eleição sobre vender esperança, como foi 2002. Essa será a eleição da indignação, numa espécie de efeito retardado de 2013. A avaliação é de Mauricio Moura, CEO da Ideia Big Data, uma consultoria com experiência em campanhas nos EUA e no Brasil.




É por isso que ele diz que candidatos com perfil “indignado”, como o esquerdista Ciro Gomes e o deputado de extrema direita Jair Bolsonaro, são potencialmente competitivos numa disputa na qual Luiz Inácio Lula da Silva está virtualmente fora e Luciano Huck diz que jogou a toalha. “Com a saída de Huck, quem ganha é quem disputa o campo popular: o PT, Ciro, Marina e até mesmo Bolsonaro”.

Moura fechou recentemente parceria para trabalhar com Guillaume Liegey, que foi um dos marqueteiros de Emmanuel Macron na eleição francesa, e os dois participaram no começo do mês de uma maratona de conversas com pré-candidatos ou seus enviados, inclusive presidenciais, num trabalho de prospecção. O brasileiro, no entanto, afirma que o objetivo principal de sua empresa é trabalhar nas campanhas regionais. “No plano nacional, nossa prioridade é ainda trabalhar com o mercado financeiro como cliente”, diz o também professor de estatística na Universidade George Washington, nos Estados Unidos.

Bolsonaro presidente 2018

Você diz que, se há uma eleição em que outsiders e partidos pequenos têm chance nas majoritárias, é essa. Isso é muito contraintuitivo no Brasil onde a TV e a estrutura partidária costumam ser cruciais. No que você se baseia para dizer isso?




Em 2013, nas grandes manifestações, gerou-se uma expectativa de que houvesse mudanças radicais nas eleições, mas 2014 acabou sendo um ano, em termos de majoritárias, de muita continuidade. Acredito que o Flávio Dino (PCdoB), no Maranhão, foi a única ruptura que a gente teve. Ele conseguiu quebrar um ciclo de poder de mais de 50 anos.

Em 2014 a gente não via essa demanda por mudança tão forte como estou vendo agora. Eu não via essa indignação que estou vendo agora. Mais do que mudança, essa é uma eleição de indignação e estamos no ápice do “novo” no Brasil. Por isso, minha hipótese é que as eleições majoritárias vão dar margens a muitas surpresas. Digo surpresas com candidatos fora dos partidos tradicionais: PSDB, PT e PMDB. São partidos que sofreram muito com a Operação Lava Jato, que conseguiu colocar no imaginário do eleitor que esses partidos são iguais. Eu tenho um dado, de uma pesquisa que a gente fez no final do ano passado, de que 75% das pessoas não gostaria de votar em nenhum candidato do PSDB, PT e PMDB na eleição presidencial. Mas você fala: mas o Lula está na frente. Sim, mas o Lula está acima do PT, é um caso particular.

Mais sobre data das eleições 2018.